• Deputado Galo

Saiba o que falta para Curitiba começar a vacinar idosos em geral contra a Covid-19

Pra começar a vacinar este grupo, será preciso chegar um lote acima de 25 mil doses; entenda


A pergunta que muitos fazem é essa: quando os idosos em geral começarão a ser vacinados contra a Covid-19? Cada prefeitura tem o seu cronograma, que varia de acordo com as doses recebidas pelo Plano Nacional de Imunização. Mas, em Curitiba, embora não haja uma data oficial, há sim uma previsão numérica para chegarmos a esta resposta.


Profissionais de saúde que atuam em consultórios particulares serão os próximos vacinados em Curitiba


Até o momento, a capital paranaense recebeu 52.990 doses de vacinas contra a covid-19. Como o grupo 1 tem quase 80 mil pessoas, dá para prever que a partir da chegada de lotes acima de 25 mil doses, a prefeitura começará então a vacinar idosos acima de 80 anos. Os que estão dentro de casas de repouso e clínicas já estão recebendo o imunizante.


Idosos e pacientes do Pequeno Cotolengo foram vacinados em Curitiba – Foto: Daniel Castellano / SMCS

Segundo a Saúde municipal, não há previsão. Porém, a notícia boa é que o lote de insumos para a fabricação de novas doses chega ao Brasil até o dia 10 de fevereiro e se soma ao que chegará nesta quarta-feira (4), que, segundo o governo de São Paulo, já está no aeroporto de Pequim, na China. O Butantan irá produzir então 8,6 milhões de doses do imunizante contra a Covid-19 com a matéria-prima.


De acordo com o Diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, as vacinas produzidas com o lote de matéria-prima que chega nesta semana começarão a ser entregues ao Ministério da Saúde no próximo dia 25. Com as duas cargas de insumos, a produção local deverá chegar a 600 mil doses diárias.

Assim, a estimativa, por essas previsões, é de que a vacina para idosos em geral comece ainda em fevereiro em capitais como Curitiba.

Quem faz parte da primeira fase? Profissionais de saúde que trabalham ou moram em Curitiba, idosos que moram em instituições de longa permanência (asilos) e indígenas da aldeia Kakané-Porã, agentes funerários, equipes da FAS e Guarda Municipal e estudantes de cursos de saúde que fazem estágios na área. Mesmo dentro das fases, existem os grupos prioritários.


Quem faz parte da segunda fase? Idosos acamados, pessoas acima 80 anos, pessoas entre 79 e 75 anos, de 74 a 70, de 69 a 65 e de 64 a 60, funcionários e população privada de liberdade.


Quem faz parte da terceira fase? Cardiopatas graves, diabéticos, hipertensos, obesos, doentes neurológicos, pessoas com deficiências permanentes severas, pessoas com neoplasias, imunossuprimidos e transplantados e população de rua.


Quem faz parte da quarta fase? Trabalhadores essenciais, como os de limpeza pública, segurança pública, motoristas e cobradores, professores, taxistas e motoristas de aplicativos.


Quem faz parte da 5ª fase ? Grupos não prioritários, como a população com menos de 60 anos, seguindo a ordem de idade, dos mais velhos para os mais jovens.

Como será o agendamento?

Com exceção dos idosos em lares e instituições de longa permanência como asilos e dos indígenas (cuja vacinação será encaminhada pela SMS), todas as pessoas dos demais grupos receberão a informação do dia e horário da vacina pelo aplicativo Saúde Já.


O agendamento será feito pela Secretaria Municipal da Saúde e a informação do dia e horário para comparecer ao Centro de Imunização, no Barigui, será enviada pelo aplicativo Saúde Já, da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba.


Fonte: Banda B

https://www.bandab.com.br/saude/saiba-o-que-falta-para-curitiba-comecar-a-vacinar-idosos-em-geral-contra-a-covid-19/


1 visualização0 comentário

© 2020 por Deputado Galo